As barcas en o mar

Vi eu, mia madr’, andar as barcas eno mar,      e moiro-me d’amor. Foi eu, madre, veer as barcas eno ler,      e moiro-me d’amor. As barcas eno mar e foi-las aguardar,      e moiro-me d’amor. As barcas eno ler e foi-las atender,      e moiro-me d’amor. E foi-las aguardar e non o pud’achar,      e moiro-me d’amor. E foi-lasSeguir lendo “As barcas en o mar”